Jão-Jão

abril de 2014 por

Mais uma história do fundo do baú.

Seu nome era João José, porém era mais conhecido pelo apelido de “Jão-Jão”, trocador de ônibus, por profissão e vocação.

Todos os dias ele se postava diante do espelho, verificando todos os detalhes da sua indumentária para o show do dia a dia. Sim, porque meu amigo era um verdadeiro showman no seu palco particular (ônibus).

Cabelo emplastado de brilhantina (ele ainda usa Glostora), óculos de grau (devido a uma miopia que o obrigava a usar lentes “fundo de garrafa”), lenço encardido no pescoço (lenço esse que já foi branco um dia), calça e camisa nas cores tradicionais dos rodoviários. Nos pés, uma meia branca com um furo no dedão (por excesso de uso) e seu orgulho maior, brilhando muito, lá estava o Vulcabrás preto, um luxo só.

“Jão-Jão” era um típico brasileiro: pensava que só ele era esperto e os demais são otários. No entanto, ele era mais uma vítima da sociedade desigual em que nós vivemos, o “salve-se quem puder”. A bondade e a inocência daquela alma ficavam obscurecidas pela guerra da sobrevivência.

Vamos encontrar o nosso amigo no seu local de trabalho, um ônibus que faz a linha de São Gonçalo à Niterói.

Cobrador ou trocador?

Foto: Leo Eloy

-“Abracadabra”!

A porta do coletivo se abria no ponto de ônibus.

– Dinheiro na mão, troco não!

Era assim que ele recebia os passageiros.

– Vamos andando, que vai chover!

Empurrava as pessoas para passar na roleta.

-“Fecha-te, Sésamo”!

A porta do coletivo era fechada e o motorista dava a partida em direção ao outro ponto.

Como é sabido, o preço da passagem de Niterói até São Gonçalo custava R$ 0,48. Meu amigo “Jão-Jão” nunca dava o troco de R$ 0,02, embora quase sempre tivesse dinheiro trocado. Quando algum passageiro ficava parado na roleta esperando o troco com a mão estendida, ele falava alto:

– O senhor está querendo alguma esmola? Se o passageiro, mesmo assim, ficasse esperando, ele então falava mais alto ainda:

– Atenção, companheiros!

Falava já aos berros. Todos olham em sua direção. Então ele dá o golpe de misericórdia no “infeliz” passageiro.

– Eu não acredito que o senhor seja tão miserável, ao ponto de criar caso com este pobre trabalhador brasileiro, por causa de R$ 0,02.

Envergonhado, o passageiro pedia desculpas e ia embora.

“Jão-Jão” sorria e pensava:

– São todos uns otários…

A viagem continuou. O ônibus parou em frente ao Carrefour. Uma velhinha, com sua sombrinha de cabo de madeira (mais velha que a dona), subiu. Ela carregava também uma sacola de compras, pouca compra.

Quando “Jão-Jão” se negou a dar o troco de R$ 0,02, a velha senhora não conversou, tacou a sombrinha, com força, na sua cabeça, dizendo irritada:

– O senhor está pensado o quê?
– Eu sou aposentada, qualquer R$ 0,02 faz falta pra mim.

“Jão-Jão”, o “esperto”, que queria ficar com os R$ 0,02 da velhinha “otária”, ficou com dez pontos na testa.

Artigos Relacionados

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *