Natal de Outrora

dezembro de 2016 por

sapato-na-janelaÉ Natal. Embora ainda estejamos em novembro, as luzes natalinas já estão acesas em toda parte. As ruas já começam a ter um aumento de pedestres, o trânsito tá ficando difícil, nem de velocípede dá pra andar por aí em busca de um presentinho barato pra alegrar a criançada.

Vai ser complicado para o peru de Natal aparecer na mesa dos funcionários públicos do Estado do Rio de Janeiro. Presente para eles só no futuro, tal qual o 13º salário, Pezão meteu o pé no traseiro de todos. Ceia de Natal só na casa de político, lá sim a mesa vai ser farta.

No meu tempo de criança era uma dureza só, família pobre, as crianças eram orientadas a colocar os sapatos na janela na ilusão de que Papai Noel deixaria um presente para todos. Eu pegava o meu sapato, filho único, colocava um pedaço de jornal para esconder o furo (minha inocência pensava que se Papai Noel visse que meu sapato era velho e furado não colocaria o meu presente), tentava ficar acordado pra ver o bom velhinho, porém o sono me vencia.

meia-furadaCerto Natal, ao acordar, corri para a janela a fim de ver o meu presente, no entanto nem o sapato encontrei. Pensei: “vai ver que Papai Noel precisou dar o meu sapato para outra criança”. Uma criança que nem um sapato furado possuía.

Só muito tempo depois, já adulto, minha mãe contou-me o que havia ocorrido: eles não tinham nenhum presente para dar-me, então resolveram retirar o meu sapato da janela e esconderam de mim. Sabendo dessa história, minha avó Bernardina ficou com pena, comprou um par de sapatos novos e me deu dizendo que Papai Noel havia mandado e que tinha pedido desculpas pela demora.

No outro dia eu saí chutando tudo que era lata velha na rua, para testar os meus sapatos novos.

Artigos Relacionados

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *