O Castigo vem no Pé

novembro de 2014 por

Existe um Clube naquela cidade do interior, chamado Unido Venceremos. As suas dependências não são iguais às dos demais clubes da cidade. Ele seria assim uma espécie de primo pobre, muito embora localizado de frente para o mar e com uma boa área de terreno. As administrações passam e o clube não acompanha a evolução dos demais clubes que começaram da mesma maneira que ele. O nosso clube parou no tempo.

Há que ressaltar, no entanto, algumas vantagens do clube: os sócios se conhecem, o clube é como se fosse uma grande família, o ambiente é saudável.

O clube oferece aos associados um campo society, uma sauna que às vezes funciona e o tradicional jogo de buraco.

Tem também o bar do clube que fica aos cuidados do Sr. Gumercindo e esposa. Sendo que às sextas-feiras eles sempre inventam algo especial: caldo verde, sopa de mocotó, creme de cebola etc.

Existem também os associados que às vezes demonstram os seus dotes de mestre-cuca, como o Almir cuja especialidade é a sopa Leão-Veloso. O Jurandi cuja especialidade é o churrasco. E outros menos votados.

Eu ia esquecendo-me de dizer que o campo de futebol dá fundos para o Cemitério da cidade. O campo é de terra e todo cercado por um alambrado alto, para evitar que a bola caia na propriedade alheia, inclusive no cemitério.

Foto: Sean Ryan

Foto: Sean Ryan

Os jogadores são escolhidos através de uma lista dos 16 primeiros associados que ao chegarem ao clube vão colocando seus nomes na lista do “racha”, sendo que os números 15 e 16 da lista são os goleiros ou então dão a vez para associados que gostam de agarrar no gol, ficando, assim para outro “racha”.

Em um sábado, por volta das dez horas da manhã, os times em campo batendo bola, já ia começar a pelada dos coroas, ou seja, os associados com mais de 50 anos de idade.

Depois de muito procurar, surge um herói para apitar a “pelada” alguém que sabe que fatalmente não conseguirá ser juiz até o final do jogo. Pois a condição física dos “atletas” é nenhuma, porém a condição da língua é boa, e não param de reclamar do juiz. Existem alguns senhores que ainda apresentam bom controle de bola, já que na juventude foram jogadores profissionais, como é o caso do Mozart.

A pelada já estava no segundo tempo quando alguém chutou a bola no travessão, ela então ficou quicando na área pedindo pra ser chutada, um dos senhores, o velho Altamiro, partiu com toda a vontade e desferiu um potente chute. A bola subiu e caprichosamente caiu no cemitério. O grande chutador encaminhou-se para passar através da abertura que existia entre o alambrado e o muro do cemitério, a fim de apanhar a bola. É lógico que os demais começaram a soltar piadinhas: Cuidado com o coveiro, ele não vai deixar você sair! Vai pra casa hem! São Pedro tá te chamando!

Ao subir no muro, ele parou com as feições de surpreso e assustado.

Naquele momento estava sendo realizado um enterro, o caixão já estava na sepultura e o padre já rezava pela alma do defunto.

Depois de passar o susto, Altamiro localizou a bola nos pés do padre. Então ele olhou pro padre e fez menção de ir buscar a bola. O padre falou baixinho, por entre os dentes:

– Não se atreva!

Altamiro caiu do muro e quebrou o pé.

Artigos Relacionados

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *